Petrobras investe R$ 137 milhões para refinaria em SP operar em capacidade máxima

Petrobras investe R$ 137 milhões para refinaria em SP operar em capacidade máxima

A Petrobras vai investir R$ 137 milhões, até dezembro, para garantir as operações da Refinaria Presidente Bernardes de Cubatão (RPBC), no litoral de São Paulo. O aporte faz parte do plano de negócios da companhia, que afirma que a unidade está apta para operar em capacidade máxima.

A RPBC, construída em 1955, é considerada a primeira grande refinaria da empresa. Atualmente, a unidade tem capacidade diária para processar 27 milhões de litros de petróleo, procedentes do Terminal Marítimo de São Sebastião (Tebar), o que corresponde a 8% do total de derivados no país.

O gerente-geral da refinaria, José Manuel Villar Gulin, afirma que, apesar do desinvestimento em setores da companhia para o equilíbrio das contas internas, o aporte era previsto e visa o aumento da eficiência operacional na unidade. O objetivo também é garantir a segurança nos processos.

“A refinaria está pronta e disponível para operar em sua capacidade plena, sempre de acordo com a demanda do mercado. Nós temos o compromisso de dar à empresa aquilo que é esperado e a refinaria tem feito seu papel operacional”, afirma. Villar garante que não há ociosidade na unidade.

Das 20 plantas de produção interna, cinco foram instaladas após os anos 2000, segundo o gerente de engenharia e suporte técnico-operacional da refinaria, Daniel Carlos Violatti. Ainda este ano, uma nova unidade de produção de Diesel S10 está prevista para iniciar as operações no local.

“Trata-se de uma unidade bem moderna, que ocupa um espaço que até então não era utilizado. A RPBC vem sendo modernizada em todos os seus processos, mas garantimos a confiabilidade de todos os nossos equipamentos”, afirma o gerente. O objetivo é ampliar a oferta do produto no litoral.

A refinaria mantém um labortário capaz de fazer 400 análise mensais e produz 6,8 milhões de litros de gasolina por dia. A unidade também é capaz de entregar 7 milhões de litros de diesel diários para abastecer 18 mil carretas – o dobro do que circula no cais santista em dias comuns.

Fonte: G1

print